Jornal metropolitano de Maringá

ESTADO

A página ESTADO aborda assuntos relativos ao estado, são as ações e decisões tomadas pelo executivo e legislativo que ira influenciar diretamente no cotidiano dos paranaenses. 







Requião e Pessuti devem restituir R$ 1,4 mi ao Estado

O Tribunal de Contas do Estado determinou que os ex-governadores do Paraná Roberto Requião de Mello e Silva e Orlando Pessuti restituam ao cofre estadual um total de R$ 1.394.861,93, valores que deverão ser corrigidos monetariamente. A decisão, da qual cabe recurso, foi tomada na sessão de 5 de fevereiro do Pleno do TCE-PR.
O órgão de controle responsabilizou os dois gestores por parte do prejuízo de R$ 4.095.906,20 causado ao Estado em consequência de um incêndio nas instalações do Porto Seco de Cascavel (Oeste), ocorrido em 23 de setembro de 2009. O terminal alfandegário de uso público é administrado pela Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná (Codapar) e estava sem a cobertura de seguro desde 21 de outubro de 2008.
A situação fere a Lei nº 9.973/2000, que obriga o depositário de produtos agropecuários a contratar seguro das mercadorias. Naquela época, as 15 unidades da Codapar no Estado, que somavam capacidade para armazenar 235 mil toneladas de grãos, além de outros produtos, estavam na mesma situação do Porto Seco de Cascavel. O faturamento anual da companhia com a armazenagem somava aproximadamente R$ 15 milhões.
Tomada de Contas Extraordinária instaurada em 2009, a partir de Comunicação de Irregularidade feita pela 3ª Inspetoria de Controle Externo do TCE – responsável pela fiscalização da Codapar à época – comprovou que o Estado pagou R$ 3.482.856,20 de indenização a clientes do Porto Seco que perderam produtos agrícolas, pescados e têxteis em consequência do incêndio. A perda de equipamentos e armazéns ocasionou prejuízo de R$ 613.050,00.
Requião
Com base nos apontamentos da 3ª ICE e em parecer do Ministério Público de Contas (MPC), o Pleno do TCE julgou procedente a tomada de contas. Responsabilizou o ex-governador Requião (que exerceu o mandato entre 1º janeiro de 2007 e 1º de abril de 2010) por parte dos prejuízos decorrentes da ausência de seguro das mercadorias depositadas no Porto Seco de Cascavel.
O Tribunal determinou que Requião restituta os R$ 340.124,63 pagos a três empresas como indenização pelas perdas decorrentes do incêndio. Ele também deverá pagar multa proporcional ao dano, de 30% daquele valor, conforme estabelece o Artigo 89 da Lei Orgânica do Tribunal (Lei Complementar Estadual nº 113/2005). No total, a sanção atinge R$ 442.162,01.
Em abril de 2009, Requião revogou licitação iniciada pela Codapar em agosto de 2008, com a alegação de defesa do interesse público, por economicidade e ausência de competitividade, já que a única empresa participante do certame não ofereceu o desconto almejado pela administração estadual. Em 2010, depois da ocorrência do incêndio, no entanto, o Estado realizou nova licitação e contratou apólice de seguradora por valor superior ao estabelecido no certame revogado.
Na licitação revogada, o valor apresentado pela seguradora Tóquio Marine Brasil, de R$ 216,1 mil, era inferior ao preço máximo previsto no edital, de R$ 227,5 mil. Já na segunda licitação, a empresa Marítima Seguros  foi contratada por R$ 280 mil.
Na avalição do TCE, a revogação da licitação não seguiu as hipóteses previstas na Lei de Licitações (8.666/93) e o governo descumpriu expressa determinação legal para que o serviço de armazenagem de grãos tenha a cobertura de seguro, com o objetivo de preservar seu patrimônio e cumprir suas obrigações contratuais.
O então governador Requião foi responsabilizado por ter revogado a licitação, sem amparo legal, embora tenha sido reiteradamente informado pelos gestores da Secretaria de Agricultura e Abastecimento e da Codapar da obrigatoriedade da contratação do seguro.
Pessuti
Orlando Pessuti (que governou o Paraná entre 1º de abril e 31 de dezembro de 2010) foi responsabilizado pela devolução de R$ 952.699,92. Esse valor equivale à multa de 30% sobre o montante pago (R$ 3.175.665,64), durante sua gestão, à empresa Servcom Serviços de Comércio Exterior S/A, a título de indenização pelos prejuízos decorrentes do incêndio no porto seco.
A sanção foi aplicada porque o pagamento se deu de forma integral, amigável e antecipada, embora uma sindicância interna da Codapar tenha apontado que falhas em um processo de fumigação (controle de pragas por meio da aplicação de gás) de responsabilidade da empresa possam ter provocado o incêndio.
A fumigação foi executada por empresa contratada da Servcom,em fardos de algodão de sua propriedade, depositados na área externa de um dos armazéns. A sindicância concluiu que o incêndio se iniciou justamente nesses fardos, no dia seguinte à aplicação, possivelmente causado pela reação dos produtos químicos utilizados, em decorrência de imperícia, inobservância de normas técnicas e falhas em procedimentos obrigatórios – entre eles o aviso prévio ao Corpo de Bombeiros.
Na avaliação do Tribunal de Contas, antes de determinar o pagamento da indenização à Servcom, o governador Pessuti deveria ter determinado o aprofundamento da investigação dos indícios apontados pela Comissão de Sindicância, com o objetivo de comprovar a eventual responsabilidade da empresa no incêndio. Esse procedimento poderia reduzir o valor, ou até mesmo afastar a obrigatoriedade da indenização.
O relator do processo, conselheiro Ivens Linhares, apontou desídia do gestor e precipitação no pagamento, ocasionando dano ao erário.  “A defesa dos interesses do Estado configura obrigação do gestor público, com a mesma natureza daquela atribuída ao médico, em relação à saúde do paciente, e do advogado, em relação aos interesses do cliente”, escreveu o relator em seu voto.
Recursos
Além das sanções financeiras, o TCE vai encaminhar cópia da decisão ao Ministério Público Estadual, para eventuais ações em sua esfera de atuação. O valor a ser restuído ao cofre estadual pelos ex-governadores deverá sofrer atualização monetária e juros. O cálculo será feito, pela Diretoria de Execuções do Tribunal, após o trânsito em julgado do processo.
Ambos os gestores podem ingressar com recurso contra a decisão do Tribunal Pleno. Os prazos passarão a contar a partir da publicação do acórdão no Diário Eletrônico do TCE-PR, veiculado de segunda a sexta-feira, no site do Tribunal: www.tce.pr.gov.br.
As informações são do Bem Paraná.
Fonte: UOL.com.br – foto blogdo Tarço




Guarda Mirim do Paraná abre inscrições para processo seletivo
Foto: Ricardo Marajó/SEDS

Já estão abertas as inscrições para o processo seletivo 2015 da Guarda Mirim do Paraná. Serão oferecidas 280 vagas para adolescentes de ambos os sexos em situação de risco e vulnerabilidade social. Para acessar o formulário, disponível somente pela internet, basta entrar no site da Secretaria de Estado do Trabalho e Desenvolvimento Social, no endereço eletrônico www.familia.pr.gov.br  e clicar no banner lateral “Inscrição Guarda Mirim 2015” (endereço para link - https://www.guardamirim.seds.pr.gov.br/guardamirim/inscricao.do?action=iniciarProcesso). 

Quem não tiver acesso à internet pode se inscrever usando os computadores que estarão disponíveis na sede da Guarda Mirim, que fica na Avenida Anita Garibaldi, nº 2395, no bairro Ahú, em Curitiba. O horário de atendimento é das 8h30 às 11 horas e das 13h30 às 16 horas. A inscrição é gratuita e se encerra no dia 30 de janeiro, às 16 horas. 

REQUISITOS - Podem participar da seleção adolescentes que completam 15 ou 16 anos em 2015, moradores em Curitiba ou Região Metropolitana. No momento da inscrição, o candidato deve estar matriculado em escola regular a partir do 9º ano fundamental ou em Educação para Jovens e Adultos (EJA), em pelo menos quatro disciplinas. 

COMO FUNCIONA – A Guarda Mirim é um programa de inclusão social que oferece cursos de aprendizagem gratuitos para adolescentes com duração de três anos. No primeiro ano, os alunos participam do curso de Pré-Aprendizagem e Formação Cidadã, ministrado por professores da Secretaria de Estado da Educação e por policiais militares. 

Durante o programa, os adolescentes recebem acompanhamento de uma equipe multidisciplinar, composta por assistentes sociais, pedagogos, psicólogos e técnicos de nível superior. Também são oferecidas oficinas de música e belas artes, atividades complementares de esporte, lazer, eventos educativos, culturais, religiosos e comunitários.

Na segunda fase acontece o Curso de Aprendizagem Profissional, voltado para as áreas comercial e industrial. As aulas são oferecidas pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Nessa fase, os aprendizes são encaminhados para a prática profissional em empresas conveniadas. Atualmente, mais de 100 empresas fazem a contratação dos adolescentes. 

ATENDIMENTO - Fundado em 1974, o Centro de Integração Diva Pereira Gomes, conhecido como a Guarda Mirim do Paraná, é coordenado pela Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social. Além de investir na manutenção da Guarda Mirim com recursos do Tesouro Estadual, o Governo do Estado destinou mais R$ 1,5 milhão do Fundo Estadual para a Infância e Adolescência para o fortalecimento do programa. Os investimentos foram destinados à compra de uniformes, aquisição de equipamentos e reforma da biblioteca. Em quatro anos o programa já atendeu 2,45 mil adolescentes. 
Fonte: ANPr


Mais de R$ 600 milhões são aplicados em programas sociais no Paraná













Curso de eletrônica do CENSE  


Com o objetivo de promover a inclusão social e a emancipação das famílias paranaenses, o governo do Paraná já destinou R$ 603 milhões para programas, serviços e benefícios sociais. Apenas de janeiro a novembro de 2014 foram beneficiadas 1,1 milhão de pessoas, com ações voltadas às famílias em vulnerabilidade, às crianças e adolescentes. 

“Mais do que oferecer ações pontuais e assistencialistas, a política de Assistência Social no Paraná tem o objetivo de levar as famílias a superarem sua condição de pobreza e construir uma nova história”, afirma a diretora-geral da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social, Letícia Raymundo. 

FAMÍLIA PROTEGIDA – Em 2012, o governador Beto Richa lançou o Família Paranaense, programa estratégico para promover a inclusão social das famílias em situação de risco e vulnerabilidade social. Por meio de ações articuladas entre Estado, municípios, órgãos e instituições, elas são incluídas em projetos como geração de renda, qualificação profissional e têm acesso a serviços de saúde e educação. Presente em todos os municípios do Estado, o programa totalizou 163 mil famílias atendidas em modalidades como a transferência de renda, acompanhamento familiar e atenção às famílias dos adolescentes internados por medida socioeducativa. O investimento até dezembro foi de R$ 41 milhões. 

CRIANÇA E ADOLESCENTE – Foram destinados R$ 68 milhões em recursos do Fundo para a Infância e Adolescência para garantir a proteção integral das crianças e adolescentes do Paraná. O valor contempla desde a estruturação dos Conselhos Tutelares e do Sistema Socioeducativo, capacitação e formação continuada para os atores da Rede de Garantia de Direitos e atenção às crianças e adolescentes com deficiência. O repasse de R$ 10 milhões beneficia 237 projetos, por meio de convênio com entidades especializadas neste tipo de atendimento em 57,8% dos municípios do Paraná.

O Governo do Estado também aumentou em 183% o número de exames gratuitos de DNA para a investigação de paternidade de crianças e adolescentes que não têm condições de arcar com os custos do procedimento.

Os investimentos também incluíram campanhas educativas, mobilizações e ações estratégicas de enfrentamento às violências contra a criança e o adolescente, erradicação do trabalho infantil e regularização do trabalho adolescente. 

Foram lançados o Plano Decenal dos Direitos da Criança e do Adolescente e o Plano Decenal de Atendimento Socioeducativo. Os documentos vão direcionar as ações, a execução e o monitoramento das políticas públicas pelos próximos dez anos. Todos os recursos foram deliberados pelo Conselho Estadual da Criança e Adolescente.

PROTEÇÃO INTEGRAL– O atendimento das famílias é feito pelo Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família, ofertado nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras). Em quatro anos foram destinados R$ 926 mil para cofinanciamento deste serviço, além de R$ 6,4 milhões para a construção de 39 novos Cras. 

As situações de violação de direitos são atendidas pelo Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos, que acontece nos Centros de Referência Especializados. Ao todo foram destinados R$ 38 milhões para cofinanciar atendimentos especializados que incluem: acolhimento a idosos, atendimento às pessoas com deficiência, atendimento em situação de calamidade publica, programas socioeducativos em meio aberto, acolhimento familiar e institucional. 

BENEFÍCIOS - A ampliação do benefício Luz Fraterna foi outra conquista importante para as famílias de baixa renda. Em 2010, o Estado pagava a tarifa de energia apenas das famílias com faixa de consumo de 100 kWh por mês. A partir de julho de 2013, esse limite foi ampliado até 120 kWh por mês, beneficiando 571.514 famílias. Os recursos repassados para o pagamento foi de R$ 98 milhões. 

MUNICIPIOS – Durante o período das fortes chuvas que atingiram o Paraná o governo estadual repassou R$ 4 milhões para atender as famílias dos 130 municípios prejudicados. Também foram repassados veículos e equipamentos de informática para entidades sociais em 126 municípios do Estado. O valor investido foi de R$ 31 mil. 

Para aprimoramento da gestão e investimentos em programas e projetos da Assistência Social, foram destinados R$ 2 milhões a serem repassados para 86 municípios, por meio do repasse automático sem a necessidade de convênios, o “Fundo a Fundo”. 
Fonte: ANPr


Detran Fácil atinge marca de 1,5 milhão de processos online
Foto: Detran

O Departamento de Trânsito do Paraná chegou nesta terça-feira (16) a marca de 1,5 milhão de serviços realizados pelo sistema Detran Fácil. Desde maio de 2011, quando foi lançado, 1.500.492 pessoas deixaram de se deslocar até uma sede física do órgão, diminuindo a burocracia nos processos e reduzindo em até duas horas o tempo de espera em algumas unidades da autarquia. 

“O número foi alcançado antes mesmo das nossas expectativas, já que imaginávamos chegar a ele só no final deste ano. Assim, comprovamos que o serviço online foi aceito pela população, que funcionam, são práticos e confiáveis”, destaca o diretor-geral do Detran, Marcos Traad. 

Nos últimos 43 meses, o uso dos serviços online aumentou mais de 1.450% e a média mensal de acessos cresceu gradativamente: foram 6 mil solicitações por mês no primeiro ano, 13 mil em 2012, 39 mil em 2013 e neste ano já são mais de 65 mil acessos mensais. 

Hoje, o Detran Fácil permite fazer emissão definitiva da Carteira da Nacional de Habilitação (CNH); segunda via da CNH; Permissão Internacional para Dirigir; Renovação da CNH; Segunda via do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV); Agenda de Curso de Reciclagem; Mudança de Endereço; e Defesa de suspensão e cassação de CNH; e defesa de infrações estaduais. 

NOVIDADES - A nova plataforma do sistema, lançada no final de novembro, agora permite que o usuário mantenha seu cadastro sempre atualizado e que o Detran entre em contato via email e mensagem SMS, avisando sobre vencimento da habilitação, andamento de processos e resultados de provas e exames. Além disso, o usuário pode se conectar via Facebook, Twitter e Google+. Em menos de um mês, foram 2.648 usuários cadastrados e 6.325 serviços solicitados 

O motorista Cleyton Pereira da Silva foi o primeiro paranaense a fazer o recurso de multa online. “Foi muito tranquilo. O sistema tem as informações e todo o histórico de multas do veículo, o que me ajudou na defesa. Além disso, por ser no computador, consegui produzir o texto com paciência, preparei melhor meus relatos e tudo ficava salvo. Muito bom”, avalia. 

O usuário Leandro Ferreira dos Santos utilizou o Detran Fácil em um recurso de multa online para recorrer à Junta Administrativa de Recursos de Infrações (JARI). “Eu trabalho em um local que fica longe do Detran e dos postos de atendimento. O serviço online agilizou a solicitação e eu não precisei ir a uma sede do órgão para conseguir o atendimento desejado o que facilitou minha vida”, conta. 

DÉBITO – Outra novidade é que, desde o dia 11 de dezembro, o pagamento de guias de recolhimento do Detran pode ser feito também em terminais de autoatendimento para usuários que possuem cartão de débito do Banco do Brasil. Por enquanto são cinco equipamentos com a tecnologia e o Detran já prepara outros 95 até o fim do ano. 

O Departamento possui hoje 200 terminais de autoatendimento distribuídos em Ciretrans e locais de grande circulação, como shoppings, mercados e prefeituras, em 165 cidades do Estado. Nos dois últimos anos foram realizados 640 mil serviços via Detran Fácil nos equipamentos. 
Fonte: ANPr


Richa inaugura obra estratégica na BR-376 e destaca o apoio do Estado

                              Governador Beto Richa inaugura Contorno de Mandaguari.Mandaguari.
                                                         Foto: Orlando Kissner/ANPr
O governador Beto Richa inaugurou nesta quinta-feira (27) o Contorno de Mandaguari, na BR-376, Noroeste do Paraná. Richa destacou a importância da obra para a população de Mandaguari e para a região e ressaltou a participação do Governo do Estado para viabilizar o projeto. 

“Uma das maiores obras de engenharia rodoviária do Paraná, que atende a forte e antiga reivindicação da população e que, além de mais segurança para os usuários e qualidade de vida para a população de Mandaguari, vai contribuir para um desenvolvimento mais vigoroso da região”, afirmou Richa. 

Com a liberação do novo trecho da rodovia, os moradores da cidade não irão mais conviver com fluxo pesado no centro do município. Os usuários da rodovia não terão mais de trafegar por trecho urbano, com ruas estreitas, semáforos e quebra-molas. 

Richa lembrou que o contorno deveria ter sido entregue em 2008, mas que o projeto não pode ser executado porque a gestão anterior do governo estadual não viabilizou as desapropriações de terrenos. As desapropriações, em torno de R$ 4,5 milhões, foram feitas na atual gestão. 

“Na época, a concessionária tinha dinheiro em caixa, o que faltou foi sensibilidade do governo, faltou que ele cumprisse sua obrigação”, disse o governador. “Nós entendemos a necessidade da obra para Mandaguari. Nosso governo fez a sua parte e hoje temos a alegria de inaugurar essa obra belíssima”, afirmou Richa. O investimento total foi de R$ 100 milhões, feitos pela concessionária Viapar.

O secretário estadual da Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, afirmou que a obra representa um grande avanço na infraestrutura rodoviária do Paraná. “Uma realização esperada há mais de 20 anos pela região. Mais de 12 mil veículos passavam diariamente pelo centro de Mandaguari”, disse ele. 
Fonte: ANPr


Sanepar paga R$ 2,7 milhões pelo uso da água em 2014

Foto: Barragen do Rio Iraí

A Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) deve pagar neste ano R$ 2,7 milhões pelo uso da água da Bacia Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira. Desde o início da cobrança, em setembro de 2013, e até o final de 2014 ano, o montante deve ultrapassar a R$ 3,5 milhões. A Sanepar é a maior usuária dos recursos hídricos no Paraná. Na Bacia do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira, a empresa é responsável por 80% do valor arrecadado. Os outros 20% são pagos pelo setor industrial, representado pelas 50 maiores indústrias instaladas na região. 

Dos 11 comitês de bacia estaduais e um federal instalados no Paraná, apenas este, o Coaliar (Comitê das Bacias do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira), está aplicando a cobrança, que foi instituída pela Política Nacional de Gerenciamento dos Recursos Hídricos (Lei 9433/97). A Sanepar participa de todos os comitês. 

TRÊS DIMENSÕES - O valor a ser pago mensalmente pelo uso da água desta bacia é obtido por um cálculo complexo, baseado no volume outorgado, em três dimensões: volume captado de água superficial e subterrânea, volume consumido (perdas no sistema) e DBO lançada. A DBO (Demanda Biológica de Oxigênio) é a quantidade de oxigênio consumida na depuração da matéria orgânica lançada nos rios pelo esgoto doméstico tratado. O valor arrecadado, entre outros critérios, tem por base o pagamento de R$ 0,01 por m³ de água superficial extraída; R$ 0,02 por m³ de água subterrânea e R$ 0,10/Kg de DBO. 


METAS – Os recursos, gerenciados pelo Instituto das Águas do Paraná, ainda não começaram a ser aplicados. Eles deverão ser destinados à elaboração de projetos previstos no Plano de Efetivação do Enquadramento. 

O Plano já foi aprovado pelo Coaliar. Na área de abrangência da bacia, 100% da população urbana são atendidas com água tratada e 75% conta com cobertura do serviço de coleta e de tratamento do esgoto. Apesar deste índice, a qualidade da água dos rios está comprometida. Por isso, uma das metas é reduzir, até 2017, 15% da carga orgânica doméstica lançada no meio ambiente. 

A Sanepar se comprometeu a executar obras para ampliar a coleta e promover melhorias no sistema de tratamento do esgoto. “Obras em várias áreas da bacia já foram concluídas ou estão em andamento. Os recursos para cumprir a meta até 2017 já estão garantidos”, informou o gerente da Assessoria de Planejamento e Desenvolvimento Ambiental, Pedro Luís Prado Franco. 
Fonte: ANPr



Investimentos industriais aquecem economia dos municípios paranaenses

                                      CCS Tecnologia, Palmeira. Foto: Divulgação


Os empregos gerados pelas indústrias incentivadas pelo programa Paraná Competitivo, do Governo do Estado, movimentam a economia de diversos municípios, em todo o Estado. São exemplos Palmeiras, Ponta Grossa, Ortigueira, Barracão. Moradores, comerciantes e secretários municipais da indústria e comércio destacam benefícios como aquecimento do comércio e do mercado imobiliário, qualificação profissional e aumento da arrecadação municipal. 

Levar desenvolvimento, empregos e oportunidades para o interior do Paraná é um dos objetivos do Paraná Competitivo, criado em 2011 e que apoia, com incentivos fiscais, os novos empreendimentos que se instalam no Estado e a ampliação de plantas já existentes. Em quatro anos, o programa contabiliza a atração de mais de R$ 35 bilhões em investimentos. Do total de investimentos já consolidados, 75% estão no interior 

Em Palmeira, cidade com cerca de 32 mil habitantes nos Campos Gerais, a construção da unidade da fornecedora de peças para o setor automotivo, CCS Tecnologia, vem movimentando a economia da cidade desde o ano passado. A empresa está investindo R$ 30 milhões na unidade que vai gerar 300 empregos diretos. 

Segundo o secretário da Indústria e Comércio de Palmeira, Jaudeth Hajar, as obras estão em fase final e já há mais de 100 funcionários contratados. "Percebemos melhorias em todos os setores. Mais empregos, oportunidades para o comércio local, restaurantes, vigilância e serviços em geral. Lojas de material de construção estão vendendo muito bem", cita. 

Em Palmeira, a CCS Tecnologia e outras empresas da região fizeram uma parceria com o Senai para a implantação de cursos técnicos na cidade, assegurando mão de obra treinada e qualificada. "Essa mão de obra qualificada vai facilitar a vinda de outras empresas para a cidade", prevê o secretário de Palmeira. 
Fonte: Anpr


Feiras de profissões apresentam cursos técnicos ofertados em todo o Estado

Foto: Hedeson Alves

Feiras temáticas acontecem nas primeiras semanas de novembro em todas as regiões do Paraná para apresentar à população os cursos técnicos disponíveis. A secretaria estadual da Educação oferta 55 cursos técnicos, em 354 escolas, em 184 municípios paranaenses. 

“A formação técnica profissionalizante é uma grande porta de entrada para o primeiro emprego de milhares de jovens e as feiras são vitrines para os estudantes”, diz o secretário de Estado da Educação, Paulo Schmidt. 

Os Núcleos Regionais de Educação organizam 24 feiras de cursos e profissões. Em Curitiba, a feira será na Praça Rui Barbosa, no Centro, em 14 de novembro. Além dos cursos existentes, serão apresentadas algumas novidades, como os cursos técnicos em Restaurante e Bar e Vestuário, que entrarão na grade dos colégios estaduais de Curitiba no segundo semestre de 2015. 

Na capital, 37 colégios oferecem cursos técnicos. De acordo com a coordenadora do setor de Educação e Trabalho, do Núcleo Regional de Educação de Curitiba, Cristiane Cardoso dos Santos, a feira permite que a população conheça todos os cursos que são ofertados na cidade. “Em alguns casos o aluno desiste de fazer um determinado curso por não ter a oferta no seu bairro, mas o mesmo curso pode ser oferecido no bairro vizinho”, disse. 

Em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, a exposição acontecerá no Centro Estadual de Educação Profissional Newton Freire Maia. Cerca de 700 alunos do 8° e 9° ano devem passar pela feira que acontecerá em 6 de novembro. 

PÚBLICO – Os cursos na rede estadual são disponíveis em diferentes modalidades para atender toda a comunidade paranaense de diferentes faixas etárias. Para os alunos que estão ingressando no ensino médio, com idade entre 14 e 15 anos, os cursos são oferecidos integrados às disciplinas da base nacional comum. Para quem já concluiu o ensino médio, com idade acima de 17 anos, a formação é na modalidade subsequente ou concomitante. 

Já para quem não teve a oportunidade de fazer o ensino médio, mas deseja obter uma formação técnica, a Secretaria da Educação oferece cursos na modalidade Educação para Jovens e Adultos (EJA), na qual os alunos com mais de 18 anos estudam as disciplinas técnicas aliadas às disciplinas da base nacional comum, concluindo assim o ensino técnico e médio ao mesmo tempo. 

MAIS OPORTUNIDADES – O Governo do Estado está construindo três novas Centros Estaduais de Ensino Profissional na Região Metropolitana de Curitiba, em Campo Largo, Almirante Tamandaré e Fazenda Rio Grande. Serão cerca de 3.600 vagas a mais para os cursos de segurança do trabalho, mecatrônica, eletroeletrônica, edificações, meio ambiente, logística, química entre outros. 

O Governo do Paraná está ampliando em 80% a rede de Centros Estaduais de Educação Profissional. São 10 novas unidades em construção e oito já concluídas, o que representa um investimento de R$ 144 milhões. Também estão em andamento obras de ampliação e reforma de outras 23 escolas de ensino médio do Paraná que também oferecem cursos profissionalizantes. 
Fonte: Anpr





Conferência debate desafios da saúde da pessoa com deficiência
Conferência estadual debate desafios da saúde da pessoa com deficiência. Curitiba, Foto: Venilton Küchler/SESA

Curitiba foi sede na quarta-feira (29) da I Conferência Temática de Saúde da Pessoa com Deficiência, promovida pelo Conselho Estadual de Saúde (CES-PR). O evento, realizado em parceria com o Governo do Estado, reuniu mais de 90 gestores, profissionais, conselheiros de saúde e usuários do SUS para debater o tema. 

O objetivo foi discutir os rumos da atenção à saúde voltada a este público. De acordo com o presidente do CES-PR, Antonio Garcez Neto, o evento surgiu da necessidade do aprimoramento das políticas públicas direcionadas à pessoa com deficiência. 

“É inegável que uma série de avanços foram conquistados nos últimos anos, contudo é preciso ampliar o diálogo, trabalhar de forma intersetorial e ouvir mais os usuários visando à qualidade de vida e inclusão social dessas pessoas”, afirmou Garcez Neto.

O deficiente visual e usuário do SUS, Vilmar da Motta, afirma que ainda existem diversas barreiras para que as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida tenham acesso aos serviços de saúde. “Vemos que grande parte da rede de saúde ainda não está preparada para nos atender. E também há a questão do acesso, pois muitos têm dificuldade para se deslocar à unidade de saúde e não recebem assistência domiciliar”, disse.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que 20% da população paranaense tem algum tipo de deficiência. “Isso ressalta a importância de se estabelecer um cuidado específico para essa população, com serviços de saúde e equipes multiprofissionais capacitadas para atender a demanda de cada cidadão”, afirmou Vilmar da Motta.

REDE – Durante o evento, também foi apresentada a Rede de Atenção à Pessoa com Deficiência que está sendo estruturada no Estado. O chefe do departamento de Atenção às Condições Crônicas da Secretaria da Saúde, Juliano Gevaerd, conta que a rede prevê ações para garantir a promoção, prevenção, tratamento e reabilitação dos pacientes de todas as regiões do Estado. “Estamos ampliando e articulando os pontos de atenção especializados para que a pessoa seja atendida de maneira resolutiva e o mais perto de casa”, afirmou.
Fonte;Anpr






Prevenção ao câncer de mama mobilizou mais de 100 instituições do Paraná
Outubro Rosa termina com ações em todos os municípios do Paraná. Foto: Venilton Küchler/SESA


 As ações de prevenção do câncer de mama e conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce da doença mobilizaram durante o mês Outubro Rosa cerca de 100 instituições paranaenses públicas e privadas, clubes de serviço e entidades de classe, com o apoio do Governo do Estado. As mobilizações ocorreram em todos os municípios do Estado, com a entrega de materiais informativos, palestras e iluminação rosa de prédios. 

O objetivo foi lembrar que as mulheres devem fazer acompanhamentos preventivos com regularidade. De acordo com médico mastologista da Secretaria da Saúde, Vinicius Budel, ao procurar o serviço de saúde, a mulher será orientada quanto aos exames recomendados e sua freqüência. Cerca de 95% dos casos diagnosticados precocemente evoluem para cura com tratamento adequado. 

Uma das formas de diagnosticar o câncer de mama é a realização de mamografias de rastreamento. Este exame é oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e é indicado para as mulheres na faixa etária entre 50 e 69 anos. Mulheres com fatores de risco, como histórico familiar, maternidade tardia ou tratamento hormonal, também devem avaliar com os profissionais a necessidade de exames regulares. 

O Paraná tem hoje 133 mamógrafos à disposição do Sistema Público. Em 2012 foram realizadas 353.638 mamografias. Em 2013 este número cresceu. Foram 370.988 mamografias e 63.445 ultrassonografias de mama. 

Números – O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que o Paraná registre em 2014 aproximadamente 3,5 mil casos novos de câncer de mama. No ano passado, 825 pessoas morreram no Estado em decorrência do câncer de mama. Em 2012, foram 818 mortes. Fonte: Anpr



Tecpar vai analisar existência de resíduos agrotóxicos


Ensaios químicos, físicos e microbiológicos, além da emissão de laudos técnicos e realização de análises periciais, em produtos como feijão, tomate, maçã e soja são realizadas em laboratórios do Tecpar. Foto: Silvane Trevisan Tonetti
O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) assinou um contrato com a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) para prestar serviços tecnológico para verificar a conformidade de alimentos e produtos de uso agrícola comercializados no estado. Ao longo de um ano, o Tecpar vai analisar 340 amostras de alimentos para comprovar a ausência de agrotóxicos, além de 500 amostras de fertilizantes, corretivos agrícolas e inoculantes coletados pela Adapar, para avaliação da conformidade das formulações declaradas pelos fabricantes.

Essas análises serão realizadas pelo Centro de Ensaios Tecnológicos (Cetec), que reúne seis laboratórios no Tecpar. Ao todo, serão feitos ensaios químicos, físicos e microbiológicos, além da emissão de laudos técnicos e realização de análises periciais, em produtos como feijão, tomate, maçã e soja, por exemplo. 

Para realizar o trabalho de fiscalização de uso de agrotóxicos, os fiscais agropecuários da Adapar coletam amostras de produtos vegetais e de fertilizantes para análise e verificação da possível existência de resíduos de agrotóxicos, proibidos ou acima do limite máximo permitido pela legislação, além dos níveis de garantia dos fertilizantes, corretivos agrícolas e inoculantes.

Em posse dessas amostras, o Tecpar realiza então ensaios físicos, químicos e biológicos para verificar a qualidade de fertilizantes, biofertilizantes, corretivos, inoculantes, agrotóxicos e resíduos de agrotóxicos em alimentos. Após a análise, o Tecpar emite um laudo técnico, documento hábil que serve de base para a proposição de medidas corretivas caso os produtores agrícolas e fabricantes de fertilizantes não atendam a legislação em vigor.

O diretor de Desenvolvimento Tecnológico do Tecpar, Guilherme Zemke, disse que esses serviços laboratoriais asseguram à fiscalização da Adapar maior precisão nas informações sobre o uso de produtos agrícolas nas lavouras do estado. “O Paraná tem uma forte vocação ao agronegócio. Prestando esse serviço, o Tecpar colabora com os objetivos do governo estadual em desenvolver o setor, com informações mais confiáveis para fiscalizar e dar competitividade a nossa produção agrícola”, salienta Zemke.

Esses serviços tecnológicos vão dar suporte à fiscalização promovida em todo o estado pela Adapar, que tem como finalidade estabelecer normas, padrões e procedimentos, que determinam a adoção das medidas de prevenção e contribuem para a sanidade da produção agropecuária paranaense, promovendo o aumento da competitividade junto ao mercado globalizado.
Fonte: Anpr